Pesquisar este blog

Área Militar

Curta a Fan Page: Martins Concursos

Siga no Twitter

WhatsApp

http://whats.link/apostias

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

PMs suspeitos de matar jovem em abordagem vão para presídio militar

PMs suspeitos de matar jovem em abordagem vão para presídio militar


(31)8765-8810 - Facebook: Apostilas Martins 


Policiais disseram que rapazes reagiram em ação na Zona Norte de SP.
Ônibus foram incendiados na região em protesto contra morte de jovem.

Os seis policiais militares suspeitos de matar um jovem e de atirar em outro na região do Parque Edu Chaves, na Zona Norte de São Paulo, neste domingo (9), foram levados para o Presídio Militar Romão Gomes. Os PMs afirmam que os rapazes reagiram a uma abordagem policial. Em protesto contra a morte do jovem, dois ônibus foram incendiados na região. Duas pessoas não conseguiram sair de dentro de um deles e morreram queimadas.

De acordo com o coronel Audi Felix, os PMs foram detidos porque testemunhas da abordagem contaram versões diferentes das apresentadas pelos policiais. Eles foram presos em flagrante por suspeita de homicídio e tentativa de homicídio.

Duas equipes participaram da ação. A primeira abordou os dois suspeitos e, segundo Félix, fez os disparos que mataram Maicon Rodrigues de Moraes, de 16 anos. Depois, a outra equipe chegou ao local. Entre os PMs detidos, estão um tenente, um sargento, três soldados e um cabo.
A abordagem dos PMs teria gerado revolta dos moradores, o que pode ter ocasionado o ataque a um ônibus, na região do Parque Edu Chaves. Segundo a PM, um grupo jogou combustível e ateou fogo no veículo, o que causou a morte de dois passageiros, que não conseguiram descer. Pouco antes das 11h deste domingo (9), um segundo coletivo foi incendiado a cerca de 500 metros do local.
Por causa desses dois ataques, sete pessoas também foram presas nesta tarde, informou o Delegado da Seccional Norte, Cosmo Stikovics Filho. Alguns deles ficaram queimados e precisaram ser socorridos a hospitais da região.

Em relação à abordagem que causou a prisão dos seis PMs, o coronel Félix disse que chegaram testemunhas com uma nova versão dos fatos. "Cabe ao delegado entender. E ele entendeu, dentro das convicções dele, que é o caso de fazer autuação em flagrante e delito”, explicou Félix. “Há contradição com o relato dos policiais militares. Eles são firmes em dizer que no momento do confronto não havia ninguém na via pública, mas tudo isso vai ser apurado”, complementou.

Em nota, a Polícia Militar informou que os policiais solicitaram aos dois suspeitos que deixassem o veículo em que estavam. Segundo a PM, eles desceram atirando e houve troca de tiros. Porém, a mãe do outro rapaz baleado que sobreviveu, Walterley Marques da Silva Junior, de 18 anos, afirmou que o rapaz “nunca andou armado”. Segundo ela, ele teve uma passagem por porte de drogas há dois anos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário