Pesquisar este blog

Área Militar

Curta a Fan Page: Martins Concursos

Siga no Twitter

WhatsApp

http://whats.link/apostias

quarta-feira, 17 de abril de 2013

Novos telefonemas revelam lista para matar mais jornalistas no Vale do Aço



Profissionais visados 'saberiam demais'; 
radialista e editor do jornal foram ameaçados pelo 190, 
da Polícia Militar, e pelo celular


Vale do aço.A onda de crimes contra profissionais da imprensa no Vale do Aço, em Minas Gerais, pode não ficar restrita aos assassinatos do repórter policial e apresentador Rodrigo Neto, em 8 de março, em Ipatinga, e do fotógrafo Walgney Assis Carvalho, morto no último domingo, em Coronel Fabriciano. Outros dois jornalistas sofreram ameaças e estariam na lista de um grupo de extermínio formado por policiais da região. Para proteger os profissionais, polícia intensificou patrulhamento perto da casa de um deles.

As ameaças aconteceram depois dos dois assassinatos. O editor do jornal "Diário Popular", Fernando Benedito, e o comunicador Carioca, que apresentava o programa Plantão Policial ao lado de Neto na rádio "Vanguarda AM", seriam os próximos alvos dos matadores. A informação já circula entre os profissionais da imprensa que atuam na região.

Benedito foi informado que "deveria ficar mais manso com a corporação" para que nada de ruim acontecesse. A ameaça a Carioca chegou pelo número de telefone 190, da Polícia Militar. (PM). Uma ligação dava conta de que o radialista poderia ser morto porque "sabe demais" sobre os crimes ocorridos no Vale do Aço.

As forças de segurança que atuam em Ipatinga têm conhecimento das ameaças, mas ainda não investigam os autores. A Polícia Militar informou apenas que o policiamento foi reforçado nas imediações da casa de Carioca, com viaturas passando na rua onde ele mora "com mais frequência que o normal".

Como as investigações correm em sigilo, a Polícia Civil não repassou muitas informações. Apenas se limitou a dizer que há diversas linhas de investigação para as mortes de Neto e Carvalho. O delegado Wagner Pinto, chefe do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), esteve em Ipatinga e Coronel Fabriciano. Ontem, ele foi insistentemente procurado pela reportagem de O TEMPO, mas não retornou as ligações.

Entre os profissionais que atuam no Vale do Aço, o pedido é de justiça. "Nós esperamos. Queremos respostas da polícia sobre as investigações desses assassinatos, que tanto nos chocaram", afirmou o diretor do jornal "Vale do Aço" e da rádio "Vanguarda AM", Gustavo de Souza. Neto trabalhava nos dois veículos, e Carvalho prestava serviços de freelancer para o jornal impresso.

Mudança.A rotina dos dois jornalistas ameaçados mudou desde então, segundo colegas. Qualquer motocicleta que para ao lado deles é motivo de apreensão e eles não saem mais sem sentir medo de todos aqueles que se aproximam.

A ordem agora, principalmente depois do assassinato de Carvalho, é manter a discrição. Falar abertamente sobre o assunto, por exemplo, é praticamente proibido, uma vez que a sensação de insegurança impera entre os profissionais envolvidos na cobertura.

  Transformando Sonhos em Realidade

Investigações
A Polícia Civil mantém o sigilo sobre as investigações. Mas a movimentação foi grande ontem na sede do 12° Departamento de Polícia Civil, em Ipatinga, base para os investigadores da capital que trabalham no caso.

Durante todo o dia, os agentes fizeram buscas na região. Mais de 30 pessoas já foram ouvidas. Segundo a corporação, dois suspeitos da morte de Walgney Carvalho foram identificados. Nada foi revelado sobre suspeitos do assassinato de Rodrigo Neto.

Postura indiscreta pode ser motivador
No domingo, dia em que foi assassinado, o fotógrafo Walgney Assis Carvalho havia postado, em seu perfil nas redes sociais, o local onde estaria. Essa postura foi considerada por colegas como determinante para o assassinato. "Nos dias de hoje, repórter que atua na área policial tem que evitar falar demais. Ainda mais aqui no Vale do Aço", afirmou um colega que integra o Comitê Rodrigo Neto, criado pelos profissionais da imprensa da região.

Justamente por seu comportamento pouco discreto, Carvalho chegou a ser considerado suspeito da morte de Rodrigo Neto na fase preliminar da investigação, mas a hipótese logo foi logo descartada. Assim como O TEMPO mostrou, Carvalho também teria dito a algumas pessoas que conhecia quem matou Neto. O fato chamou a atenção de colegas, que vem mantendo a discrição diante do sentimento de insegurança na região. (RF)


Medo
Crimes afastam profissionais
Após os assassinatos de Rodrigo Neto e de Walgney Assis Carvalho, o medo se espalhou entre os profissionais da imprensa da região do Vale do Aço, e os repórteres da editoria de polícia se transformaram em profissionais raros nos jornais e portais de internet.

No impresso "Diário Popular", um dos mais combativos da região, por exemplo, a repórter que cobria a área policial pediu demissão e saiu de Minas Gerais. "Ela estava com muito medo de continuar trabalhando", contou a colega Nadiele Satler, na cobertura policial interinamente. A colega que saiu do Estado atuava há um ano e quatro meses no "Diário Popular".

No jornal "Vale do Aço", a vaga que Neto ocupava ainda não foi preenchida. "Ninguém quer essa vaga. Agora é que estamos fazendo testes com uma jovem e vamos ver se ela ainda vai querer o emprego", explicou o diretor de redação da publicação, Breno Brandão. O repórter que estava cobrindo as ocorrências policiais desde a morte de Neto havia sido transferido de setor temporariamente, mas pediu para sair da editoria de polícia logo após o assassinato de Carvalho.

No portal "Plox", o principal do Vale do Aço, a repórter que atuava na mesma área também decidiu sair do emprego. Segundo colegas, a onda de assassinatos foi o motivo do pedido de demissão, logo depois da morte do fotógrafo. "Cansei disso (da vida de repórter policial)", desabafou outro jornalista, que pensa em deixar o ofício.

Para não deixar a morte do jornalista impune, às sextas-feiras, o comitê Rodrigo Neto, formado para acompanhar as investigações, tem divulgado reportagens que rememoram os crimes investigados por ele e ainda sem solução. Com a morte de Carvalho, a ideia é intensificar o trabalho. "Essas mortes não podem ser esquecidas", informou o comitê. (RF)

Fonte: O tempo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário